Grupo Cidade
CNBB atribui ao Governo Federal responsabilidade pela "tragédia que vivemos"

Em nota, instituições não mencionam combate à corrupção na pandemia.

Instituições batem o pé e exigem vacina, agora. 

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) juntou-se à Ordem dos Advogados do Brasil, Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns, Academia Brasileira de Ciências, Associação Brasileira de Imprensa e Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência para emitir uma segunda nota com forte critica ao Governo Federal, frente ao cenário desafiador da epidemia no país. 

As siglas que formam o chamado "Pacto pela Vida" intitularam o texto de "O povo não pode pagar com a própria vida!". Os signatários do documento colocam  na conta do Governo Federal a responsabilidade pela "tragédia que vivemos".

"A ineficiência do Governo Federal, primeiro responsável pela tragédia que vivemos, é notória. Governadores e prefeitos não podem assumir o papel de cúmplices no desprezo pela vida. Assim, apoiamos seus esforços para garantir o cumprimento do rol de medidas sanitárias de proteção, paralelamente à imunização rápida e consistente da população. Que governadores e prefeitos ajam com olhos não só voltados para os seus estados e municípios, mas para o país, através de um grande pacto. Somos um só Brasil."

As instituições também exigem "vacina agora".  "A população brasileira necessita de vacina agora. O vírus não será dissipado com obscurantismos, discursos raivosos ou frases ofensivas. Basta de insensatez e irresponsabilidade". O texto não esclarece aos destinatários a dificuldade real em adquirir os imunizadores, dada a corrida mundial pelo produto. Países, inclusive, da Europa, enfrentam o mesmo probema do Brasil  para aquisição das vacinas já compradas junto às farmacêuticas. 

A nota também não cobra apuração sobre casos de corrupção acontecidos em plena pandemia.

Leia a nota na íntegra, clicando aqui. 

COMENTÁRIOS