Grupo Cidade
"Bispos devem ser firmes contra reduções de Missas pelo poder civil," responde Santa Sé a fiel

Texto emitido para as Conferências Episcopais em 2020 continua atual, afirma Congregação para o Culto Divino

Governos estão determinando fechamento de Igrejas. 

Um fiel escreveu para Roma com uma pergunta pertinente. É correto que, no momento em que as pessoas mais precisam, quando estamos lutando contra uma doença, quando alguns estão perdendo familiares, a própria Igreja diga "Não! Portas fechadas! Fiquem sem Cristo?".O questionamento feito pelo advogado Taiguara Fernandes  à Santa Sé, obteve resposta através do Dr. Adelindo Giuliani, oficial da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, nesta quinta-feira, dia 11. 

Taiguara emitiu a pergunta a partir da situação da Arquidiocese da Paraíba que, mesmo antes do Governador decretar Lockdown,  determinou o fechamento de todas as igrejas. "Ele me encaminhou uma Carta do, então, Prefeito, Cardeal Robert Sarah, aprovada pelo Papa Francisco, que ordenou sua publicação. Respondeu-me que, 'com respeito à minha consulta' sobre a situação da Paraíba, eu 'poderia encontrar a resposta nesta Carta' e enviou o documento. Desde o título, clareza: 'Retornemos com alegria à Eucaristia!'

O fiel fez outra pergunta para a Congregação Vaticana. "Onde houver proibições autoritárias do poder civil, a Igreja deveria lutar por sua própria liberdade?". "A Congregação respondeu que nenhuma transmissão substitui a Eucaristia e que os Bispos devem ser firmes contra reduções da celebração eucarística pelo poder civil, a quem não compete legislar sobre liturgia", relata a descrição do pedido, que pode ser verificado na internet, neste link

A carta a qual se refere a Congregação, foi redigida em agosto de 2020, aprovada pelo Santo Padre o Papa Francisco e enviada aos Presidentes de Conferências Episcopais, inclusive para a CNBB, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. 

Leia a carta da Congregação para o Culto Dvino e Disciplina dos Sacramentos, clicando aqui. 

COMENTÁRIOS