Morre aos 95 anos jurista constitucionalista Paulo Bonavides

Jornalista, advogado, professor e cientista político, Paulo Bonavides também era membro da Academia Cearense de Letras

Foto: Divulgação OAB

Morreu nesta sexta-feira, 30, o jurista paraibano e professor emérito da Universidade Federal do Ceará (UFC) Paulo Bonavides, aos 95 anos. O anúncio foi feito pela Ordem dos Advogados do Brasil Secção Ceará (OAB-CE), que declarou luto oficial de três dias, e pelo reitor da UFC, Cândido Albuquerque. 

"O mundo perdeu o seu maior constitucionalista! A Universidade Federal do Ceará está de luto! Com muito pesar cumpro o dever de comunicar o falecimento do Prof. Paulo Bonavides", escreveu Cândido, em sua conta de Facebook.

Já o presidente da OAB Ceará, Erinaldo Dantas, em nota oficial ivulgada pela OBA Ceará, comentou sobre o legado deixado pelo jurista. "Ele foi um intelectual, defensor da democracia e visionário no âmbito do Direito, consagrando-se como um dos maiores constitucionalistas da história do nosso país. Teve seus trabalhos como objeto de estudo no mundo inteiro e foi agraciado com a Medalha Rui Barbosa, a maior premiação ofertada pela OAB Nacional".

Jornalista, advogado, professor e cientista político, Paulo Bonavides também era membro da Academia Cearense de Letras, ocupando a cadeira de número 17, sob o patrono Joaquim Catunda. O advogado nasceu no dia 10 de maio de 1925, na cidade de Patos, na Paraíba, e era filho de Fenelon Bonavides e Hermínia Bonavides. O jurista deixa sete filhos.

Sendo reconhecido como um dos grandes constitucionalistas do País, o jurista é formado pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e é autor de diversas obras jurídicas, como as doutrinas “Ciência Política” (2000) e “Curso de Direito Constitucional” (2008).

Após o anúncio de sua morte, diversos juristas e políticos prestaram homenagens nas redes sociais, como o governador Camilo Santana (PT), o ministro do STF Alexandre de Moraes, o advogado-Geral da União José Levi e  o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Luís Roberto Barroso.

 

COMENTÁRIOS