Colunista de celebridade, Igor Araújo compartilha notícias no Instagram Giro de Famosos

O colunista conversou um pouco com a Frisson sobre sua trajetória, suas motivações, seus critérios e expectativas

Foto: Divulgação

Da vontade de comunicar e de tornar o vocabulário e os conceitos mais acessíveis, o colunista Igor Araújo começou a escrever. Formado em Ciências Sociais pela Federal de Pernambuco e graduando em Direito pela Estácio de Minas Gerais, Igor percebeu que poderia aliar seus conhecimentos jurídicos com as notícias de celebridades. Dessa ideia, nasceu o Giro dos Famosos, conta de Instagram que já conta com mais de 100 mil seguidores. 

Com notícias exclusivas, entrevistas e análises, Igor já atua há dois anos focando em credibilidade e didatismo. O colunista conversou um pouco com a Frisson sobre sua trajetória, suas motivações, seus critérios e expectativas. Confira a entrevista: 

Frisson: Pode falar um pouco da sua trajetória como colunista de celebridades? O que te motivou a entrar na área da comunicação?

Igor Araújo: Antes eu era apenas consumidor da informação e via bastante as notícias dadas de maneira falsa e aquilo me incomodava. Foi quando pensei em virar comunicador e levar a notícia verdadeira ao meu leitor. Desde 2018, a Giro dos Famosos nunca deu uma fake news, pelo contrário. Se você viu na Giro, então é verdade. 

 

Frisson: E o Giro dos Famosos? Como surgiu, tanto no Youtube quanto no Instagram? 

Igor Araújo: No instagram surgiu em 2018 por ser uma plataforma que estava no auge. O Youtube veio após meu instagram ser desativado por um mês por um erro, então segui nesse período levando o conteúdo para o Youtube. Eu não costumo chorar o que eu perco, mas encontrar saídas. O instagram me devolveu a página e estou nos dois!

 

Frisson: Você também trabalha com servidor público, certo? Como o Direito te auxilia no seu trabalho de colunista?

Igor Araújo: Sim. O direito auxilia demais na maneira que enxergo a matéria, tanto na forma que dou a notícia, sempre fundamentada e respaldada em provas. Eu comecei em 2018 a abordar os famosos no mundo jurídico, levando informações mais aprofundadas ao leitor sobre processos que famosos fazem parte. Atualmente virou praxe do mundo das celebridades esse aprofundamento em detalhes de processos que envolvem famosos. Sinto-me um precursor neste aprofundamento.

 

Frisson: Como foi começar nesse ramo, conseguir as primeiras fontes? 

Igor Araújo: As primeiras fontes fui eu mesmo investigando as  notícias e analisando processos de famosos. Com o ganho de espaço na mídia começaram a chegar às fontes, é um processo natural. E qualquer fonte que venham a mim, eu só faço matéria com apresentação de provas, mesmo que no primeiro momento eu não as publique. Tem um lance também que alguns comunicadores se valem do sigilo da fonte para criar notícias e dizer "uma fonte me falou", mas muitas vezes ninguém falou nada, o comunicador inventou a matéria. Eu acho isso desonesto. 

 

Frisson: Sobre a relação com suas fontes, como você lida com elas? Há amizade, contato frequente? 

Igor Araújo: Não tenho relação de amizades com as fontes, tenho de confiança, eu neles e eles em mim. Nenhum vínculo que não haja confiança pode prosperar. Mas também existe as fontes casuais, de algum caso específico que alguém traz para mim. 

 

Frisson: Como você avalia as informações que serão publicadas em relação à ética profissional? Há assuntos por exemplo que você não publica de maneira alguma?

Igor Araújo: A ética da verdade. Não necessariamente o fato, mas a notícia, perceba, alguém que está sendo acusado de algo formalmente, mesmo que ainda não condenado, é verdade que ele está respondendo algo, então a notícia é dada. Creditar também, quando a matéria não é minha. Não posso ganhar com o suor alheio. Isso é desumano, indigno e desonesto.

 

Frisson: Quais critérios você utiliza para definir as notícias, o que vai para sua página ou não? 

Igor Araújo: Checagem da matéria, matérias de cunho jurídico que envolvam famosos, por exemplo, tenho profundo apreço. E também matérias de cunho social, acho interessante além de dizer que um famoso sofreu um golpe, levar a informação para o meu leitor de como não cair naquele golpe. Ou uma famosa que não está recebendo pensão, não só noticiar isto, mas explicar como uma mulher pode requerer isto na justiça. Evito publicar sobre famosos “biscoiteiros”, aqueles que querem aparecer a todo custo e ficam plantando situações. 

 

Frisson: Além de famosos, que outros assuntos você também aborda? 

Igor Araújo: Abordo questões sociais, sem dúvidas. O caso do "tio" que estuprou a sobrinha de 10 anos, fui um dos primeiros portais de alcance médio a grande a divulgar a foto do acusado, divulguei em um dia e no outro ele foi preso aqui na região metropolitana de Belo Horizonte. “Ah, mas não podia publicar?” (existe um lei que proíbe divulgar fotos de acusados). Eu sabia disso e assumi o risco, fiz no meu portal, não faria isso se estivesse em um portal que não fosse meu. 

 

Frisson: Você tem uma cobertura também com famosos do Ceará, como a Mileide Mihaile. Por que essa preferência e que outros artistas cearenses estão na sua lista de fontes e notícias? 

Igor Araújo: Já me sinto cearense! Povo mais acolhedor e sincero da vida, o cearense ou ele ama ou ele odeia e são muito sinceros nisso. Sim, abordo muito o caso da Mileide Mihaile desde o pedido de revisão de pensão por parte do Wesley Safadão. Abordo também Wallas Arrais, notícias sobre Tirullipa, o próprio Wesley Safadão, Dona Bill, Thyane Dantas, Thayse Teixeira, Isabele Temóteo. 

 

Frisson: Qual você acredita que é seu diferencial entre as colunas de celebridades? 

Igor Araújo: É fazer alguém ler uma matéria minha e saber que o que se saiu na giro dos famosos, então é verdade. 

 

Frisson: Você desmascara muitas fake news e erros jornalísticos. Acredita que esse segmento é algo que falta na comunicação?  

Igor Araújo: Falta e como falta. Falar a verdade e ser honesto dá menos dinheiro neste ramo que mentir e ser desonesto. Eu escolhi falar a verdade e ser honesto comigo e meus leitores. Ganho menos dinheiro por isso, mas ninguém pode me acusar de ser desonesto. 

 

Frisson: Em relação a esse conteúdo, como conseguir agregar valor às notícias para que não se transformem em “fofocas”? 

Igor Araújo: A fofoca é algo que não se prova. Fofoca é coisa da vizinha fofoqueira que fala da vida de todo mundo porque acha alguma coisa. Notícia é o que entrego ao leitor. Fulano separou e não está pagando pensão? Veja o que pode acontecer com ele! Você, minha leitora, também não está recebendo pensão? Veja o que fazer nesses casos! Mas o mundo das celebridades é fútil! Na giro eu faço ele ser fútil e ao mesmo tempo interessante! 

COMENTÁRIOS