Grupo Cidade
"Estilo de vida: a medicina sem remédio que é a porta da longevidade", por Dra. Maryna Landim

Foto: Divulgação

A maioria dos brasileiros — assim como a população mundial — está cada vez mais estressada. E isso causa falta de sono, sobrepeso, e outras doenças decorrentes, como problemas cardíacos, câncer, derrame e diabetes.

Mas pouca gente esquece que estilo de vida e longevidade são intimamente ligadas. E quanto melhor seu estilo de vida, mais longa ela será. Não é a toa que cada vez mais se diz que um estilo de vida saudável é viver sem remédios.

Nesse caminho, pequenas atitudes diárias podem fazer toda a diferença. Alguns minutos de exercício, uma boa noite de sono, uma alimentação balanceada, entre outros fatores, são determinantes para nosso corpo e mente.

E quando se fala em estilo de vida e longevidade, essa medicina sem remédios é o melhor caminho. Vamos explorar esse tema no artigo abaixo? Então vem comigo!

A medicina do estilo de vida

A medicina do estilo de vida é a aplicação clínica de comportamentos saudáveis para prevenir, tratar e reverter doenças. 

Mais do que nunca, os médicos de hoje devem prescrever para os pacientes algumas "pilulas" para melhorar sua saúde, que são:

- alimentação baseada em vegetais
- atividade física regular
- sono restaurador
- controle do estresse
- redução ou eliminação do vício 
- psicologia positiva e conexão social

Alimentação balanceada

Uma maneira de melhorar seu estilo de vida e longevidade é por meio de uma alimentação balanceada. 

Por exemplo, dietas ricas em frutas, vegetais e grãos inteiros e com baixo teor de produtos de origem animal e alimentos altamente processados têm sido associadas à prevenção de muitas doenças. 

Ou seja, essas dietas também melhoraram a saúde e até reverteram doenças cardiovasculares, metabólicas, cerebrais, hormonais, renais e autoimunes comuns. Também reduzem 35% a incidência de todos os cânceres.

Atividade física regular

Durante décadas, as diretrizes dos médicos enfatizaram que a atividade física diária moderada a vigorosa traz benefícios imediatos e de longo prazo para a saúde. 

Por exemplo, por que envelhecemos e a taxa com que envelhecemos — idade cronológica versus idade biológica — é determinada por vários processos moleculares que são diretamente influenciados pela atividade física. 

E agora os cientistas estão entendendo melhor as mudanças celulares e moleculares que o exercício induz para reduzir o risco de doenças.

Dessa forma, as prioridades de pesquisa para cientistas e médicos incluem obter uma compreensão mais profunda do tipo, intensidade e frequência da atividade, e melhores insights sobre as alterações moleculares e celulares que ocorrem com o exercício.

Sono restaurador

O sono ajuda as células, órgãos e todo o corpo a funcionar melhor. Por exemplo, o sono regular ininterrupto de sete horas por noite para adultos, oito a 10 horas para adolescentes e 10 ou mais para crianças é necessário para uma boa saúde.

Embora pouco estudado, há evidências de que o sono de alta qualidade pode reduzir a inflamação, a disfunção imunológica, o estresse oxidativo e a modificação epigenética do DNA, todos associados ou causadores de doenças crônicas.

Portanto, a pesquisa sobre os mecanismos biológicos que fundamentam as propriedades restauradoras do sono pode levar a novas abordagens. Elas visam melhorar nossos padrões naturais de sono com as demandas da vida diária.

Gerenciamento de estresse

Embora algum estresse seja benéfico, o estresse prolongado ou extremo pode sobrecarregar o cérebro e o corpo. 

Portanto, o estresse crônico aumenta o risco de doenças cardiovasculares, doenças do intestino irritável, obesidade, depressão, asma, artrite, doenças autoimunes, doenças cardiovasculares, câncer, diabetes, distúrbios neurológicos e obesidade.

Além disso, um dos mecanismos mais poderosos para reduzir o estresse e aumentar a resiliência é obter uma resposta de relaxamento por meio de terapias mente-corpo e terapia cognitivo-comportamental.

Redução e eliminação do vício

Muitos fatores sociais, econômicos e ambientais têm alimentado o aumento do abuso de substâncias em geral.

Porém, é sabido que o consumo em excesso de bebidas alcoólicas, o tabaco, entre outras substâncias são nocivas ao corpo humano.

Dessa forma, evitá-las ou reduzi-las ao máximo é o principal caminho para um estilo de vida e longevidade saudáveis.

Psicologia positiva e conexão social

Ou seja, manter uma atitude positiva por meio da prática da gratidão e do perdão tem um impacto significativo no bem-estar psicológico e subjetivo. E isso, por sua vez, está associado a benefícios para a saúde física.

A conectividade social, ou seja, a quantidade e a qualidade de nossos relacionamentos, tem talvez os benefícios mais poderosos para a saúde.

Por outro lado, o isolamento social — como viver sozinho, ter uma pequena rede social, participar de poucas atividades sociais e sentir-se sozinho — está associado a diversos problemas. Entre eles, maior mortalidade, aumento da morbidade, diminuição da função do sistema imunológico, depressão e declínio cognitivo.

Estilo de vida e longevidade

Como fica claro no artigo, uma vida longa e de qualidade está diretamente ligada ao nosso estilo de vida. Portanto, com mudanças simples, é possível ter uma medicina aliada ao corpo, sem o uso de remédios.

Dessa forma, ao aplicarmos as "pílulas" da medicina do estilo de vida, damos ao nosso organismo a possibilidade de viver mais e melhor.

por dra. Maryna Landim, fromada em Medicina e pesquisadora da Medicina ortomolecular,

preventiva, ayurvédica e integrativa, com foco em longevidade humana.

COMENTÁRIOS